domingo, novembro 24, 2013

Helvetica The Perfume - The Scent of Nothing





Design, Tipografia e Perfumaria!
Estas 3 palavras partilham uma interessante riqueza de significados intangíveis e improváveis. E todos eles, de alguma forma estão aqui, na ideia curiosa deste perfume.
Em 1957, Max Miedinger e Eduard Hoffman criaram uma nova fonte sem serifa e deram a ela o nome de Helvetica. Entre seus objetivos estavam criar uma tipografia que fosse altamente legível e ao mesmo tempo neutra, que permitisse ao texto transmitir toda sua mensagem sem influência colateral e ao mesmo tempo inevitável, do design! Não imaginavam no que seu trabalho resultaria!!! A Helvética se tornaria a mais presente e usada fonte da história.
Voltando à perfumaria e ao design de embalagem, que são os temas centrais deste blog, o que considero interessante na ideia deste perfume é a completa ausência (ou não) de design enquanto forma, mas sua total presença (ou não) enquanto conceito.
Eu explico: o frasco de vidro, decorado com ouro 24k, tem formato retangular tão comum e corrente na perfumaria que poderia passar despercebido, assim como a fonte Helvética procura passar despercebida pelo texto de um autor qualquer. A tampa, cilíndrica e metálica na cor dourada e o cartucho decorado em letterpress também compartilham deste "ar" espartano e ao mesmo tempo ubíquo ao mundo da perfumaria.

O toque de mestre do perfume Helvética está em seu conteúdo. Estão envasados dentro do frasco inacreditáveis 60ml (2, fl oz) de... água destilada, nada mais!!! Perceberam a ironia, ou a genialidade da ideia?
É chamado de "essência do nada", mas poderia ser "essência de tudo", não?
É a materialização do que Marcos Beccari, do Filosofia do Design, em seu Prefiro Baudrillard, chama de "mediação simbólica entre o objeto e o usuário".
Mesmo o type designer Erik Spiekermann, se pronunciou sobre a ideia deste perfume em seu twitter:



Abaixo, Erik Spiekermann explica sua paixão pela tipografia:

Fontes
Twitter Erik Spiekermann
Fonts in use.com
MyShopiFy.com
Helvetica (2007) - Documentário


segunda-feira, outubro 14, 2013

Dalhia Noir - Givenchy



Nada como juntar o talento criativo de um renomado designer, a motivação de um diretor criativo recém contratado e a capacidade altamente técnica e realizadora de ótimos fornecedores para fazer algo diferenciado!
Foi assim que Riccardo Tisci, então o novo diretor criativo da marca Givenchy, juntamente com o designer Fabien Baron, uniram-se com fornecedores como Albea Group e SGD para conceber o perfume Dalhia Noir, lançado no ano passado (2012), pela da "maison francesa".
Segundo o site da fragrância, Riccardo Tisci compara a dália, flor que dá o tom do perfume, com sua visão da beleza, do perigo e da mulher. "Mística e misteriosa, ao mesmo tempo forte e frágil, é a personificação de uma deusa moderna!"
O design da embalagem ficou a cargo de Fabien Baron, designer para o qual não escondo minha admiração e já habitué deste blog!
O frasco, de vidro flint, foi produzido pela vidraria francesa SGD. Fabien utilizou linhas geométricas simples e clássicas. De fundo grosso e ótimo acabamento, transmite todos os atributos desejados por seus criadores.
O ombro é feito em plástico metalizado. O design da peça conta com chanfros, que juntamente com o aspecto liso da metalização funciona como um facilitador na retirada da tampa. Quando se gira a tampa, estes chanfros oferecem um convite para que a tampa saia, ampliando sutilmente, mas efetivamente a experiência de uso.




A tecnologia utilizada para produzir a tampa é o grande destaque deste produto. Ainda que não perceptível pelo consumidor final, a aparência da peça não seria possível de se obter sem a utilização de dois materiais injetados no mesmo molde, técnoca conhecida como bi-injeção. 
Os materiais utilizados na tampa (ABS e PCTA) foram escolhidos devido às suas características técnicas atenderem totalmente (e com vantagens) aos requisitos do design de Fabien Baron.
Depois de bi-injetada com as resinas na cor preta, a peça é submetida ao processo conhecido como galvanoplastia e é aqui que a genialidade do pessoal da Albea aparece: o banho de cromo somente adere nas partes injetadas em ABS, dando a impressão de que a peça é feita de metal + plástico, com acabamento perfeito!
Internamente, a tampa também guarda outros segredos. Tanto o ABS quanto o PCTA, possuem baixa resistência química ao álcool, componente predominante nas fragrâncias. Para impedir uma catástrofe de compatibilidade com o granel, dentro desta "capa" de ABS+PCTA há outra peça em Polipropileno. Como o peso da peça é um atributo importante em qualquer produto de perfumaria, a tampa também possui em seu interior, um lastro em metal, aumentando seu peso e conferindo um aspecto mais premium.

Abaixo, você assiste ao comercial da fragrância e vê os anúncios para mídia impressa: